Sábado, 24 de Maio de 2008

A mãe severa e os órfãos desvalidos

No Centro Histórico do Porto, Fevereiro de 2008

 

A minha primeira impressão sobre o debate foi morna. Não simpatizo com Manuela Moura Guedes, que orientou mal a conversa, misturando questões de fundo com medidas de pormenor. Os candidatos não disseram nada de novo em relação ao que era conhecido. Não houve sequer tempo para uma discussão real entre eles. Enfim, nada de relevante se passou.

 

Mas agora, com mais calma ao fazer um balanço, de facto o que se passa "cá fora" na sequência do debate é interessante e revela bem o mal de que padece Portugal: parte significativa das elites (mesmo as blogosféricas) sente-se reconfortada com a presença de uma "mãe adoptiva" que tome conta da casa, que meta em ordem a miudagem, que decida o que achar melhor para nós, que nos guie na escolha do futuro. Por isso nem estranha que a mãe não partilhe connosco quais são os seus planos, porque ela na altura, com a sua experiência e maturidade, saberá o que fazer. É bom, assim já podemos ir lá para fora jogar à bola e quando formos grandes então trataremos nós do país. Mas tem tempo, entretanto há uma encarregada de educação.

 

Ora bem, Pedro Passos Coelho sai fora deste cenário, não bate certo aqui. Pois não é que ele tem ideias e até acha que a miudagem deve pronunciar-se? Não seria mais sensato deixarmos a governação para quem sabe?

 

---

Noutro registo, algumas notas quanto à estratégia de comunicação.

 

1) Pedro Passos Coelho é simpático e cordial, e por isso tentou explicar a MFL por que é que discorda dela. Por razões de eficácia da comunicação, não deve fazer isso. Deve dirigir-se ao país, não a ela. É que há quem confunda isso com reverência, apesar de o fenómeno ser outro.

 

2) PPC tem que explicar que o Governo, só por si, pode pouco. Para desenvolver Portugal tem que ser o catalisador da sociedade civil, da iniciativa privada. Tem que mobilizar os portugueses, facilitar a vida às empresas, deixar que o país respire. A diferença principal de PPC para MFL está aqui:

  • MFL pensa como é que o Governo pode desenvolver o país;
  • PPC procura a forma de o Governo ajudar o país a ter os meios para se desenvolver.

Ou seja: MFL procura fazer com que a Administração Pública resolva os problemas do país, sem a consciência de que isso é uma impossibilidade. PPC, ao contrário, percebe que só envolvendo os agentes privados e a população se conseguem alcançar os objectivos. MFL é a mãe severa, PPC é o líder mobilizador. Os militantes do PSD saberão quem escolher. Até 2009 há muito tempo para que o resto do país também perceba isto.

publicado por TAF às 00:03
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Anónimo a 24 de Maio de 2008 às 14:20
PPC mostrou uma qualidade inegável - hoje em dia cada vez mais rara: a boa educação! Infelizmente, essa qualidade tornou-se, nestes tempos de "escola inclusiva", um fardo pesado! Para mim PPC ganhou o debate, quanto mais não seja, porque mostrou que sabe como se trata uma senhora!

(entretanto, a patética Moura Guedes, vá-se lá saber porquê, achava que lhe cabia um papel de protagonista, e não de moderadora, e que o desempenharia tanto melhor quanto maior fosse a sua má educação!!!)

Comentar post

Site Oficial

www.passoscoelho.info

pesquisar

 

E-mail

ofuturoagora (a) sapo ponto pt

Colaboradores

AAN

Filipa Martins

João Espinho

Jorge Fonseca Dias

LR

Paulo Gorjão

Rui A.

TAF

Vasco Campilho

Vítor Palmilha

Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

Um novo ciclo

A campanha acaba aqui

Este é o meu voto

Este é o meu Partido

Razões para escolher

O voto útil a Portugal

Votar pela positiva

Sentimento de urgência e ...

Uma pessoa...

interesse comum

arquivos

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

tags

todas as tags

Blogs

Atlântico (blog)

3 liberdades

4ª República

5 dias

8 e coisa

19 Meses Depois

25 Centímetros de neve

Abrupto

Abaixo de zero

Alexandre Soares da Silva

Acho eu

Absolutamente ninguém

Ainda há lodo no cais

Apaniguado

Agora sou crescida

Águia de ouro

Aliciante

Amor e ócio

Anarca constipado

Anónimo

Ambientalista céptico

and this is Reality

Andrew Sullivan

Arte da Fuga

Arcádia

Amigo do povo

Arrastão

Aspirina B

As fadas

As afinidades efectivas

Avatares de desejo

Avesso do avesso

Apdeites2

Axonios gastos

Azurara

Barbearia

Blogadissimo

Bolague

Bichos carpinteiros

Bem pelo contrário

Blasfémias

Bitoque

Blogo existo

Blog dos farrapos

Blogota

Blogotinha

Bloguitica

Blogue do não

Blogzira

Blue lounge

Boato

Bomba Inteligente

Boina Frígia

Búzio de Cós

Bussola

Caldeirada de neutrões

Cachimbo de Magrite

Café moido

Café puro arábica

Canhoto

Caderno I

Café Moído

A Causa Foi Modificada

Certamente que sim

Condomínio

Cegueira lusa

Causa liberal

Causa nossa

Carambas

Caricas

Codfishwaters

Combustões

Conversa de mudos

Coimbra é nossa

Contra a corrente

Cortar a direito

Corta-fitas

Circo em chamas

Crackdown

Crítico musical

Crónicas Alfacinhas

days of angst

Desesperada esperança

Direita por linhas tortas

Dedos

Discurso directo

Direito de opinião

Educação cor-de-rosa

Eça é que é Hesse

Engraçadinho

Esquisito

Estes momentos

esta noite às 11

Ensaio geral

Ex-Ivan Nunes

Don vivo

Diplomata

Defender o quadrado

Do contra

Educação Sentimental

Eclético

Esplanar

Escudo

E-jetamos

Elbaeverywhere

Enguia Fresca

Escola de lavores

Espelho meu

A Espuma dos dias

Esquerda direita volver

Esquina do rio

Estado Civil

Espumadamente

Estrago da Nação

Esquerda republicana

Estado do sítio

Europas

Farol do deserto

Fuga para a vitória

Franco atirador

French kissin

Fonte das virtudes

Futuro presente

Gazeta Lusitana

Gato de Cheshire

Guerra das laranjas

Grande palhaço

Hoje há conquilhas

Há vida em Markl

Hole Horror

Homem a dias

Horas perdidas

Glória fácil

Grupeta

Gamvis

Geração de 60

Geraldo sem pavor

Gato fedorento

Grande Loja do Queijo Limiano

Insecto

Incontinentes Verbais

Impensável

Indireita

Ireflexões

Ideias com ideais

Da Literatura

Guest of time

Insubmisso

Insurgente

Lauro António

Liberdade democrática

Lisboa dakar

Lobi

Jazza-me muito

Janelar

Jonasnuts

Jornalismo de Sarjeta

Jp coutinho

Jumento

Juízo do ega

Mais actual

Magude

Mais Évora

Ma-Shamba

Mel com cicuta

Margens de erro

Mar salgado

Mancha na reputação

Marretas

Mau tempo no canil

Miss Pearls

Montanha mágica

Mundo por raimundo

Nortadas

Mulheres à beira de um ataque

No domingo

Notas verbais

No fundo no fundo

Notas ao café

Notas Várias

Notícias da aldeia

Origem das espécies

Observatório da jihad

Ordem e progresso

Os artigos expostos são para consumo...

Office lounging

Pão de leite

Pasta dos dentes

País do burro

O palhetas

Pharmacia de serviço

Peneirar

Papagaio morto

Ponte da mentira

Praça da república

Portugal dos pequeninos

Porttugal e outras touradas

Prenes

Procuro um lugar ao sol

Provas de contacto

Politics and prose

Praia

Pastoral portuguesa

Produções anacrónicas

Psicolaranja

Pitau Raia

Quintacativa

Quase Famosos

Radiomafia

Radeografia

Random precision

Rei Artur

Revista Atlantico

Rititi

Rua da Judiaria

Da Rússia

Revisão da matéria

Santa margarida

Small Brother

Senatus

Sala oval

Sexta coluna

Sempre a produzir

Sub silentio

Sítio da osga

Sentido das coisa

Se numa rua estreita

Sousa Homem

Sobre-vivência?

Tapornumporco

Taverna do embuçado

Tempo que passa

Triunfo dos porcos

Tristes Tópicos

Travel journal

Impressões de um boticário de província

Teoria da suspiração

Tradução Simultânea

Trentonalíngua

Tomar partido

Vasco Campilho

Vida das coisas

Vida das palavras

Vistalegre

Vício de Forma

Vegetais

Vila forte

Vela latina

Vento Sueste

Virtualidades

Voz do deserto

Vozes de burros

We have kaos in the garden

Zona Fantasma

blogs SAPO

subscrever feeds